Construa Brasil: conheça o projeto que promete modernizar o setor da construção civil

Para representar o Projeto Construa Brasil escolhemos uma foto de uma mulher vestida com roupas típicas da construção civil. Colete, óculos, capacete de segurança e protetores auditivos. Ela está sorrindo enquanto segura uma prancheta e uma caneta.

  Em busca da retomada do crescimento no segmento da construção civil, o governo lançou no final do mês de abril o Projeto Construa Brasil, uma iniciativa que tem como objetivo desburocratizar o setor para criar um ambiente de negócios mais favorável.

  Apesar da recessão de 2019 e dos impactos causados pela pandemia, a construção civil se manteve estável mesmo durante o pico da crise do coronavírus. Segundo dados do IBGE, em 2021 o segmento teve a maior alta dos últimos 11 anos. 

Esses resultados se devem principalmente às movimentações do mercado imobiliário impulsionadas pelas concessões de crédito do governo. Como as obras têm um ciclo de longo prazo para serem concluídas, o reflexo das iniciativas se estenderam até o ano passado.

 No entanto, o setor ainda está longe do seu pico de atividades e deve retrair em 2022, com um crescimento de apenas 2%, segundo projeção da FGV. Considerando as taxas de juros e inflação do país, podemos dizer que este é um cenário totalmente compreensível.

 A construção civil é um setor importante, pois é propulsora do desenvolvimento e da infraestrutura. Por isso, profissionais da área mantém o otimismo em relação ao ambiente de negócios. Mas é fato que algo precisa acontecer.

Nessas condições, a modernização do segmento tem se mostrado uma importante iniciativa para facilitar negócios. E é aqui que o Projeto Construa Brasil deve atuar. A seguir, entenda melhor a proposta e os pontos mais relevantes do plano.

 

Entenda como vai funcionar o projeto construa Brasil

O projeto Construa Brasil é resultado da celebração do Termo de Colaboração entre a Sepec e a Rede Catarinense de Inovação (Recepeti). Com nove metas e 31 submetas, o projeto está estruturado em três pilares:

  • Desburocratização,
  • Digitalização e
  • Industrialização da Construção Civil.

O programa prevê a criação de cursos, guias de boas práticas e capacitação, além de iniciativas para impulsionar a padronização e simplificação dos códigos de obras e edificações, que já estão sendo discutidas na Secretaria Especial.

Entre as principais demandas do plano estão a digitalização e modernização da construção civil. Para impulsionar esse pilar, o projeto estabeleceu metas para propagar o uso do BIM (Building Information Modeling) no Brasil.

Abaixo, conheça 8 metas que já estão em andamento:

 

8 metas do Construa Brasil que já estão em andamento

1 Convergência dos Códigos de Obras e Edificações (COE)

É comum que profissionais que trabalham em territórios distintos tenham que lidar com exigências diferentes para cada município. A busca por uma padronização no Código de Obras e Edificações e demais legislações urbanísticas é importante para ampliar a produtividade nesses empreendimentos.

O projeto buscará convergir e simplificar essa realidade, respeitando os parâmetros previstos em cada Código. Com isso, espera-se que seja possível reduzir a burocracia inerente ao setor para tornar o ambiente de negócios mais competitivo.

 

2 Melhoria do Processo de Concessão de Alvará para Construção

Essa meta está relacionada à desburocratização dos processos de concessão de alvará para construção. O projeto deverá buscar a integração e automatização de informações e dinâmicas realizadas pelos órgãos responsáveis por conceder licenças e alvarás de construção em cada município.

Com as iniciativas, espera-se reduzir custos e prazos relacionados a esses processos, destravando e modernizando essas etapas burocráticas da obra. 

Para auxiliar no cumprimento da meta, foram criados alguns conteúdos de apoio, como o Guia Orientativo de Boas Práticas para Obtenção de Alvarás de Construção, um vídeo com especialistas e até um curso EAD que ajuda a compreender melhor as orientações.

Acesse os materiais de apoio no site oficial do governo, clique aqui.

 

3 Difundir o BIM e seus Benefícios

A disseminação do BIM é uma das metas mais ambiciosas do projeto. BIM significa Modelagem da Informação da Construção e é o conjunto de tecnologias, processos e práticas que permitem que a equipe projete, planeje e opere qualquer obra no ambiente virtual de forma colaborativa.

O BIM é um tema em alta no mercado da construção porque é a base da transformação digital do setor. A meta é conscientizar os profissionais sobre a importância da sua utilização.

 

4 Apoiar Ações de Estruturação do Setor Público para a Adoção do BIM  

Na grade de benefícios do BIM estão o aumento da produtividade, a redução de custos, a melhora na gestão, a maior previsibilidade e o cumprimento de prazos. Por isso, é urgente que as empresas aumentem a sua adesão.

O governo estabeleceu uma Estratégia para disseminação do BIM BR, por meio do Decreto nº 9.377, de 17 de maio de 2018. O plano busca aumentar em 10 vezes a utilização do BIM no país. Hoje apenas 5% do PIB da construção civil utiliza o BIM, espera-se aumentar esse percentual para 50%.

Para cumprir a meta, o governo criou uma planilha para os programas-piloto e um curso EAD de capacitação para o BIM BR. A planilha possui caráter diagnóstico, é bastante simples e pode ser utilizada por qualquer empresa que deseje implementar a estratégia.

Acesse a planilha e o curso no site oficial

 

5 Criar Condições Favoráveis para o Investimento Público e Privado em BIM

As estratégias para disseminação do BIM não começaram recentemente. Em junho de 2017, o Governo Federal estabeleceu a Estratégia Nacional de Disseminação do Building Information Modeling. Em 2018, veio o decreto nº 9377, com o plano BIM BR. 

A meta em questão está relacionada a essas estratégias e à busca pela criação de um ambiente favorável para uso do BIM, tanto no quesito público quanto privado. 

Saiba mais sobre a estratégia BIM BR.

 

6 Estimular o Desenvolvimento e Aplicação de Novas Tecnologias Relacionadas ao BIM

Para cumprimento dessa meta foram realizados alguns experimentos monitorados em canteiros de obra reais. Foram testados conceitos da indústria 4.0 integrados a modelos BIM,  por meio da Internet das Coisas e Blockchain. Gêmeos digitais foram moldados e, para facilitar a replicação, foram desenvolvidos guias. 

Além disso, foi planejada uma abordagem para incorporar a indústria 4.0 ao BIM. Os protótipos estão sendo desenvolvidos com equipes acadêmicas em instituições de ensino, a fim de introduzir os planos de implantação do BIM na formação superior. Além disso, outros conteúdos e diretrizes estão disponíveis em um Portal BIM Acadêmico, que pode ser acessado no site do Governo. 

 

7 Identificar e Adequar o Regulamento Técnico para Incentivo à Coordenação Modular

 A coordenação modular é importante na construção civil para evitar desperdícios de tempo, material e recursos naturais. A meta do projeto busca identificar e atualizar normas e regulamentos relacionados à coordenação modular.

O Governo já começou um mapeamento de normas da ABNT relacionadas à Construção Civil para identificar necessidades de revisão. De 113 normas que podem ser afetadas pela coordenação modular, já foram levantadas 27 que se referem a sistemas construtivos.

Outros itens para atualização também foram identificados. Além disso, haverá outra parte no estudo para desenvolver textos-base das normas selecionadas.

 

8 Incentivo à Construção Industrializada

A construção industrializada ainda enfrenta diversas barreiras no Brasil, já que essa estratégia é pouco difundida por aqui. No entanto, para o setor seria um progresso interessante mudar essa realidade.

Com a industrialização da construção é possível reduzir o tempo de obras, melhorar o uso de recursos, reforçar a sustentabilidade, ter processos mais eficientes, reduzir custos e melhorar o ambiente de negócios do setor. 

No entanto, ainda é preciso melhorar a capacitação dos profissionais, o potencial de planejamento e a qualidade das obras desse tipo.

Para impulsionar essa meta, o governo está investindo em estudos específicos. Foram contratadas consultorias especializadas e dez entidades para compor o Grupo de Trabalho Consultivo, liderado pela ABRAMAT (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção).

O objetivo é estudar o cenário e desenvolver uma estratégia para a difusão da construção industrializada.

 


 

Para mais informações sobre o Projeto Construa Brasil, acesse o site oficial do Governo: Construa Brasil

 


Gostou desse conteúdo? Então você também vai amar o Episódio 1 do Giro no Mercado da Construção Civil